FAQ ABEMAG – Esteiras Transportadoras

A Abemag produz esteiras transportadoras em diferentes composições. 1 – O primeiro componente na definição do modelo ideal para determinada aplicação é a pista de transporte, esta pode ter a seguinte configuração (A-Correias ou B-Correntes):

 

A – Correias: PVC ou PP

As correias são o produto com maior flexibilidade, estão disponíveis em diferentes materiais, alto ou baixo coeficiente de atrito, com ou sem textura, alguns modelos são preparados para transporte em passagem sobre “faca” para transferência da carga transportadora quando não é possível vencer o espaço entre o raio de polias:

Correia com passagem em “faca”

Também possibilitam a passagem pelo lado inverso ao transporte para conjugar transferências de curto espaço:

Correia com passagem invertida

Ideais para o transporte aonde o coeficiente de atrito é fator relevante, também aonde não devem haver espaços vazios na pista de transporte, para não possibilitar a entrada ou acúmulo de pó ou produto à granel, como aplicações na indústria farmacêutica ou hospitalares aonde a limpeza é imprescindível. Também possuem a característica de possibilitar a reversão no movimento, ou seja, a pista de transporte pode se mover em dois sentidos, muito utilizada em esteiras transportadoras do tipo Dalla, por exemplo, para carregar e descarregar caminhões:

B – Correntes:

Plataforma de Poliacetal, Modular, Plataforma em aço inox Correntes são a melhor indicação para a construção de transportadores, estas não necessitam manutenção preventiva para alinhamento sobre a pista de transporte, umas vez que são guiadas por perfis de PEAD apoiados sobre a estrutura do equipamento, e também porque o acionamento é composto por rodas dentadas. A limitação destes modelos ocorre em casos onde não podem haver espaços na pista de transporte, pois as correntes são compostas por gomos interligados por pinos, desta forma inviabiliza o transporte de material com dimensões muito pequenas, como grãos, pós e pastas. Além disso também não são indicadas em transporte aonde o atrito entre o material transportado e a pista de transporte é um ponto relevante, pois pistas plásticas possuem baixo coeficiente de atrito. Para determinadas aplicações é possível a inclusão de tiras de borracha injetadas sobre o plástico ou lixas fixadas sobre o plástico. Mas isto requer avaliação de nossa engenharia. Também ideais para caminhos com a necessidade de passagem por curvas.

B1 – Esteiras Transportadoras em corrente de poliacetal:

Correntes com carga de trabalho de até 285kgs por cada pista de transporte em trecho reto. Possibilidade de uso em trechos retos ou curvos. Uma limitação deste modelo é a largura, a plataforma possui largura máxima de 305mm/pista, porém é possível criar esteiras com diversas pistas em paralelo para solução do problema da largura ou para aumento de resistência da carga de trabalho. A distância entre pistas em paralelos irá ficar com 7mm, como nas imagens:

B2 – Esteiras Transportadoras em corrente Modular:

Correntes em poliacetal, ou PP, ou PE. Largura de 80mm até 3.000mm. Capacidade de suportar carga de trabalho de até 2.500kgs/metro de largura da corrente (somando-se o peso da própria corrente em uso). Correntes com a possibilidade da criação de trechos curvos, do uso de bordas nas laterais para contenção e também do uso de taliscas para conter a carga em esteira elevatória:

B3 – Esteiras Transportadoras em corrente de aço inox:

Correntes com carga de trabalho de até 480kgs por cada pista de transporte em trecho reto. Possibilidade de uso em trechos retos ou curvos. Uma limitação deste modelo é a largura, a plataforma possui largura máxima de 190mm/pista, porém é possível criar esteiras com diversas pistas em paralelo para solução do problema da largura ou para aumento de resistência da carga de trabalho. A distância entre pistas em paralelos irá ficar com 7mm.